Buscar
  • Rafael Bruxellas Parra

"Nova" Franca


Catedral de Franca SP, disponível em: https://secatedralfranca.negocio.site/

Em 2016 Franca passou por uma transformação, no que diz respeito à eleição municipal. Antecipando mudanças que aconteceram no Brasil em 2018, nossa câmara de vereadores foi eleita com 53% de vereadores de primeiro mandato, além de nosso prefeito.


Para entender os efeitos dessa mudança na política local é preciso analisar os dados que compõem o "saldo político" do governo, tanto dos vereadores quanto do prefeito eleito:


  • Em 2017, a prefeitura de Franca teve receitas de aproximadamente R$ 720 milhões e despesas de R$ 717 milhões, sendo 37% da receita arrecadados de origem local e 63%, dos governos do Estado e União.

  • A prefeitura atualmente possui em torno de 4.536 servidores e 280 comissionados, acumulando uma fatia de 49% dos gastos do município.

  • O déficit de vagas em 2018 nas Unidades Municipais de Ensino Infantil (creches) foi de 3,6 mil crianças.

  • A população em situação de rua do município triplicou de 2012 a 2018, passando de 262 para 870 pessoas.

  • A taxa de homicídios do município ultrapassou a média da Capital paulista, aumentando de 6,3 homicídios por 100 mil habitantes em 2016 para 7,45 em 2017.

  • O Superávit da prefeitura foi de 3 milhões de reais.

  • Os investimentos em saúde e educação foram de 33% e 32% do orçamento, respectivamente.


Analisando o conjunto de dados da prefeitura municipal, aqui resumidamente expostos, a pergunta que nos resta é: o que mudou, além dos nossos representantes eleitos?


É preciso também entender as expectativas da população em 2016. Com partidos novos se lançando sob plataformas digitais, grupos políticos com ideologias "apartidárias", como Renova Br e Rede Raps, nós achávamos que propostas e projetos inovadores seriam apresentados à população, além, claro, de esperar o fim de uma política de cooptação dos partidos políticos.


A ONU (Organização das Nações Unidas) inclusive se ofereceu em 2017 através da fundação Green Cross, para tornar Franca uma cidade modelo do século XXI, com projetos voltados para inovação e expansão tecnológica: melhorias do aproveitamento de energia, modernização do sistema viário, incremento da produção rural e, até mesmo, a implementação de um Parque Tecnológico eram pautas do programa, que, infelizmente não avançou.


Mas, a verdade é que nada disso foi adiante, e digo que não, principalmente por falta de projetos. Dos 15 vereadores eleitos, nenhum apresentou um plano de legislatura para o município. Dos candidatos a prefeito, todos os planos de governo foram apresentados na véspera da eleição, apenas por exigência de lei eleitoral.


Por isso, repito: é hora de começarmos a eleger projetos de governo, ao invés de políticos para o governo. A "nova política" não é aquela feita com novos políticos, mas sim, com novos projetos, que atendam à expectativa da nossa população.

Rafael Bruxellas é empresário, sócio diretor da empresa KOI e colunista do Jornal Verdade. Também foi Diretor Regional da rede Tekstudio em Brasília-DF.

88 visualizações

PRA ONDE

FRANCA VAI?

Rafael Bruxellas

Empresário e sócio diretor da

empresa kOI

Copyright © 2019 Rafael Bruxellas. Todos os direitos reservados