Participação popular

A realidade DE FRANCA

     Atualmente, o cenário da participação popular na cidade é bastante inexpressivo, os poucos espaços de diálogo construídos pelo poder público costumam ser bastante esvaziados. Mas esse esvaziamento, não se deve, como muitos pensam, à falta de interesse das pessoas pela política ou por temas de sua cidade.

     Este é um discurso muito cômodo aos administradores públicos. Em realidade, esses espaços são pensados para que as pessoas não participem, a escolha do local e dos horários, a divulgação e mesmo o formato formal, somados à “má vontade” em escutar e compreender aqueles que participam,  não contemplam ou atingem a maioria da população.

     Além disso, a participação é sempre pensada de forma inconstante, numa lógica de “eventos”, e não como uma ação contínua e permanente, presente no dia a dia das pessoas. Por conta disso, vemos o fortalecimento de diálogos paralelos dos próprios  movimentos populares, excluindo os atores públicos deste processo,  uma vez que as políticas de participação, da forma como são pensadas na cidade,  só tem servido para afastar as pessoas.

     Por isso, precisamos mudar esse cenário, recolocando a Participação Popular como central nas nossas ações, fazendo-a presente em todas as temáticas abordadas em nossa campanha e em nosso possível mandato, pois se trata de um verdadeiro caminho para atingir as mudanças que almejamos.

     Nossa campanha apresenta um projeto de fomento à participação popular nas políticas públicas no município de Franca, como forma de construir um diálogo permanente com a população e melhor compreender suas necessidades.

     Frisamos que em nossa campanha, a Participação Popular está presente em todas as temáticas abordadas, desde saúde e cultura até transportes.

     Pois entendemos que se trata de um guia para toda a política que desejamos construir em Franca, ou seja, um verdadeiro caminho para a mudança que almejamos.

A Política que defendemos

     Quando falamos sobre temas como participação popular e cidadania, estamos nos referindo a todo um processo de construção coletiva daquilo que é público. Não é possível construir o público de maneira isolada ou individual; esta é uma construção necessariamente coletiva, feita a muitas mãos.

     É uma forma de se praticar a democracia e a cidadania diretamente, onde a participação dos cidadãos exerce um controle sobre ações de um governo, tornando aquilo que é público transparente aos olhos de todos.

     Por isso a política que defendemos acredita que a participação popular é um pilar essencial para a câmara municipal, já que permite a estruturação de políticas plurais e diversificadas. Não podemos cair no erro de pensar, como muitos governantes fazem, de que a participação é só um aspecto formal, onde os instrumentos de participação não são pensados de forma a efetivamente incluir as pessoas.

     Assim, no nosso mandato, aproximaremos os movimentos populares, mobilizando os interesses da população para que as decisões sejam tomadas coletivamente, através de um diálogo permanente, de audiências públicas, conselhos municipais e fóruns de debate.

     Ademais, acreditamos que um importante instrumento para efetivar a participação popular será a Câmara Itinerante, um programa que leva vereadoras e vereadores até os cidadãos das diferentes regiões do cidade, para que ouçam as necessidades locais, acolham sugestões e ampliem a agenda legislativa.

Assista ao video sobre nossos principios!

PRA ONDE

FRANCA VAI?

Rafael Bruxellas

Empresário e sócio diretor da

empresa kOI

Copyright © 2019 Rafael Bruxellas. Todos os direitos reservados